Portalegre

Portalegre é a cidade capital de distrito com menos população em Portugal, localizada em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede, na região do Alentejo e sub-região do Alto Alentejo. É uma cidade rica em património cultural, nomeadamente com o artesanato, os trajes, a gastronomia, o folclore, os cantares e danças tradicionais. Portalegre atraí turismo essencialmente através da gastronomia e dos produtos alimentares, nomeadamente com os vinhos, azeites, queijos, enchidos, e com a doçaria conventual. A região de Portalegre é conhecida pela gastronomia, pelos campos agrícolas, com a produção de cortiça, os vinha, o artesanato, o gado, os queijos, a doçaria conventual, os castelos da zona Raiana de Portugal, os monumentos romanos, e a arqueologia milenar.

Locais a visitar na cidade de Portalegre

1. Centro histórico da cidade de Portalegre

O centro histórico de Portalegre é um local tranquilo cheio de história, onde podemos sentir a calma, apreciar o casario alentejano, com casas caiadas de branco e azul misturadas com palácios senhoriais. Nas ruas estreitas e sinuosas do centro histórico de Portalegre encontramos as lojas de comércio tradicional, e as casas, com fachadas antigas que remontam à Idade Média.
O centro de Portalegre encontra-se organizado em duas zonas principais:

  • Largo do Rossio: onde encontramos o jardim da Avenida Liberdade e o plátano do Rossio, uma árvore plantada em 1838, é atualmente um dos ex-libris de Portalegre, com mais de trinta metros de altura, conhecido como o maior plátano da Península Ibérica.
  • Praça da República: com as arcadas repletas de esplanadas e cafés, e os palácios de estilo barroco, onde está alojada a Escola Superior de Educação de Portalegre.

2. Serra de São Mamede

Parque Natural da Serra de São Mamede: é um parque natural criado em 1989, integrando os concelhos de Arronches, Castelo de Vide, Marvão e Portalegre parte da cordilheira dos Montes de Toledo. A Serra de São Mamede é a cadeia montanhosa mais alta a sul do rio Tejo, com 1025 metros de altitude, com percursos pela natureza de pedra e vegetação, ligando pequenas localidades, um local de excelência para observação de aves, com uma natureza que muda a paisagem a cada estação. Na serra de São Mamede encontramos o Parque Natural de São Mamede, uma área protegida de Portugal com 56000 hectares distribuídos pelos quatro concelhos de Portalegre, Castelo de Vide, Marvão e Arronches. O Parque Natural de São Mamede é composto por uma vegetação de árvores de Sobreiro, Azinho, Carvalho, Castanheiro e Pinheiro-bravo, com uma vegetação rasteira de Esteva. O Parque Natural de São Mamede é uma zona de excelência para a observação de aves, uma vez que faz parte da rota migratória de muitas espécies de aves entre a Europa e África, nomeadamente a Águia-de-bonelli, Grifo, Abutre-preto, Rabirruivo-de-testa-branca, Chasco-preto, Milhafre, Bufo-real, Águia-cobreira, Gavião-da-europa, Peneireiro-cinzento, Perdiz-comum, Melro-preto, Chapim-preto, Chapim-real, Chapim-azul, Chapim-rabilongo, Gaio-comum, Cartaxo-comum, Pisco-de-peito-ruivo. Aqui também avistamos Lontras, Texugos, Tourôes, Doninhas, Gatos-bravos, Raposas, Coelhos-bravos, Javalis, Fuínhas, Lebres, Veados, e outros animais selvagens. Em alguns pontos do parque natural encontramos colónias de morcegos, e outros animais anfíbios e répteis.
Os quatro principais percursos pedestres são o percurso Alegrete com 11 km, o percurso Esperança com 16 km, o percurso Galegos com 11.5 km, e o percurso de Marvão com 8 km.
O património edificado a visitar na Serra de São Mamede: a barragem da Póvoa e Meadas, o Centro de Interpretação da Identidade Local da Esperança, o Castelo de Marvão, o miradouro de São Mamede, o museu da Sinagoga, o museu e cidade romana de Ammaia, e as pinturas rupestres de Vale de Junco ou Lapa dos Gaviões.

  • O Pico de São Mamede: localizado a aproximadamente 1025 metros de altitude, é o ponto mais alto de Portugal continental a sul do Tejo. Daqui podemos apreciar a vista panorâmica sobre a barragem da Apartadura, a vila de Marvão, a serra da Estrela e a Estremadura espanhola.
  • Miradouro da Ermida de Nossa Senhora da Lapa: é uma ermida localizada a aproximadamente 1 km da vila de Besteiros. Merece um destaque especial devido à existência de uma pequena igreja cavada na rocha, e pela vista que proporciona sobre o Parque Natural da Serra de São Mamede

3. Sé Catedral de Portalegre

Sé Catedral de Portalegre: é um monumento de arquitetura renascentista do século XVI, classificado Monumento Nacional. A Sé Catedral destaca-se pelas duas torres sineiras, pelos portais barrocos e pelos azulejos do século XVIII que decoram toda a sacristia.

4. Mosteiro de São Bernardo

Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição de Monjas da Ordem de Cister: conhecido como Convento, ou Mosteiro de São Bernardo, é um edifício de arquitetura manuelina, renascentista e barroca classificado como Monumento Nacional. O convento foi inaugurado em 1518 com o objetivo de acolher as “donzelas sem dote”. O convento foi extinto em 1878, em 1911 foi convertido em quartel, entre 1932 e 1961 serviu de instalações para o Museu Municipal de Portalegre, no início da década de 1980 serviu de instalações para a Escola Prática da Guarda Nacional Republicana. As grandes atrações do Mosteiro de São Bernardo são a imponente beleza do Mosteiro, e o facto de ser o local do maior e mais sumptuoso túmulo de Portugal, o túmulo de D Jorge de Melo, antigo Bispo da Guarda.
O Convento de São Bernardo é conhecido como um dos principais conventos de doçaria, juntamente com o Convento de Santa Clara. A doçaria com origem no Convento de Santa Clara é composta pelo Toucinho do céu, os Rebuçados de ovos, as Rabanadas da abadessa, as Morcelas doces de São Bernardo, o Bolo podre conventual, o Torrão real de ovos, o Sarrabulho doce, a Sopa doce de São Bernardo, e os Pastéis de toucinho do céu.

5. Convento de Santa Clara

Convento de Santa Clara: é um convento do século XIV, fundado pela rainha D Leonor Teles. O claustro do convento é o único claustro de arquitetura fernandina em Portugal.
O Convento de Santa Clara é conhecido como um dos principais conventos de doçaria, juntamente com o Convento de São Bernardo. A doçaria com origem no Convento de Santa Clara é composta pelo Queijo dourado, o Doce de amêndoa, o Toucinho do céu, Manjar branco, os Pastéis de Santa Clara, o Presunto doce, a Lampreia de massapão e amêndoa, o Leite serafim, a Receita de fartes, o Bolo Conforto e os Pastéis de mimo.
A biblioteca municipal de Portalegre está situada no Convento de Santa Clara.

6. Casa-Museu José Régio

Casa-Museu José Régio: é um museu instalado na antiga casa do professor e escritor José Maria dos Reis Pereira, conhecido por José Régio. A casa é datada dos finais do século XVII, onde podemos visitar as obras e as coleções de José Régio, com exposições de escultura, pintura, faiança, arte sacra, trabalhos pastoris e têxteis. José Régio foi um grande colecionador de arte sacra, arte popular e artesanato. As principais atrações são os objetos de arte sacra, as imagens de Cristo Crucificado, e os Barros de Portalegre.

7. Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino

Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino: é um museu dedicado à Tapeçaria de Portalegre, uma tapeçaria mural decorativa que consiste numa técnica totalmente manual de tapeçaria inspirada em obras originais de pintores, nomeadamente tapeçaria réplica de quadros dos artistas: Almada Negreiros, Anna Christina Dryselius, António Charrua, António DaCosta, Armando Alves, Barbara Walraven, Bruno Munari, Carlos Botelho, Carlos Carreiro, Carlos Santos, Cláudia Lima, Costa Pinheiro, Cruzeiro Seixas, Danielle Moser, David Adickes, Eduardo Nery, Emília Nadal, Eugénio Granell, Figueiredo Sobral, Gilberto Pereira, Graça Morais, Guilherme Camarinha, Joana Vasconcelos, John Olsen, Jorge Martins, José de Guimarães, José Nuno da Câmara Pereira, José Sousa Lara, Júlio (Saul Dias), Júlio Resende, Lourdes Castro, Luís Filipe de Abreu, Luís Pinto-Coelho, Manuel Amado, Manuel Cargaleiro, Marcello Moraes, Maria João Franco, Matégot, Menez, Nadiz Afonso, Otto Nielsen, Paul Mathieu, Renato Torres, Rigo 23, Roger Kathy,Rogério Ribeiro Rui Moreira, Sérgio Telles, Tom Phillips, Vieira da Silva, e Vitor Pomar.
O Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino está situado num palácio do século XVIII, organizado no piso térreo com história da manufatura das tapeçarias de Portalegre, e no primeiro piso com obras de tapeçaria por ordem cronológica desde a década de 1940 até à atualidade.

8. Museu Municipal de Portalegre

Museu Municipal de Portalegre: é um museu inaugurado em 1918, instalado numa casa nobre do século XVI, situada junto à Sé Catedral. No Museu Municipal de Portalegre podemos visitar um espólio composto por arte sacra proveniente dos conventos de Portalegre, Faiança portuguesa desde o século XVII até ao início do século XX, mobiliário de estilos D. João V, D. José, e renascentista, pinturas de artistas portugueses, coleção de Santos António’s, caixas de rapé em prata, e o primeiro automóvel que circulou em Portalegre.

9. Capela do Calvário

Capela do Calvário: é uma capela de arquitetura maneirista do século XVIII, situada em Portalegre.

10. Castelo de Portalegre

Castelo de Portalegre: é um castelo do século XIII de arquitetura gótica classificado Património Nacional desde 1946. O castelo de Portalegre foi uma das mais importantes fortificações, parte do sistema defensivo do Alto Alentejo. Com as recentes remodelações, o castelo foi transformado em ruínas de castelo medieval com uma mistura de arquitetura contemporânea.
Nas muralhas do castelo à volta de Portalegre encontramos as Portas do Postigo,
Portas de Alegrete, Portas de Elvas, Portas da Deveza, Portas do Espírito Santo, Portas do Bispo, Portas de São Francisco, e as Portas de Évora.

11. Miradouro da Serra

Miradouro da Serra: é um miradouro localizado na serra de Portalegre, a uma altitude aproximada de 670 metros, proporcionando uma vista panorâmica sobre a cidade de Portalegre.

12. Capela de Nossa Senhora da Penha

Capela de Nossa Senhora da Penha: é uma capela classificada como Imóvel de Interesse Público, situada no topo de um monte na Serra da Penha a uma altitude aproximada de 628 metros, junto à Estrada Nacional 18, perto de Portalegre. No exterior da capela encontramos o Miradouro da Penha, de onde podemos apreciar uma vista panorâmica sobre a paisagem envolvente.

13. Os palácios e casas senhoriais de Portalegre

  • Palácio dos Tavares Falcões, século XVI
  • Palácio dos Caldeira Castelo-Branco, séculos XVI-XVII
  • Paço Episcopal, séculos XVI-XVII
  • Paços do Concelho, século XVII
  • Palácio Amarelo, século XVII
  • Palácio Andrade e Sousa, século XVII
  • Palácio Achioli, do século XVII
  • Palácio Avilez, do século XVIII
  • Palácio Caldeira de Castel-Branco Barahona, ou Palácio
  • Barahona, século XVIII
  • Palácio Póvoas, século XVIII
  • Solar dos Viscondes de Portalegre
  • Solar das Avencas

14. As fontes de Portalegre

  • Fonte do Outeiro, com o brasão de armas da cidade
  • Fontes do Corro
  • Fonte das Três Bicas, encimada com um varandim
  • Fonte da Concha
  • Fonte da Boneca, executada em lioz
  • Fonte do Mergulho, abastecia o Convento de Santa Clara
  • Fonte da Misericórdia
  • Fonte Nova, do escultor Augusto Desirat
  • Fonte do Rossio
  • Fonte do Neptuno

Outros locais a visitar no distrito de Portalegre

Castelo de Marvão

Castelo de Marvão: é um castelo situado no Parque Natural de São Mamede, com uma construção do castelo foi começada no século XII e concluída no século XIII. Foi importante como primeira linha de defesa do país na Guerra da Restauração, e nas durante as invasões francesas do século XIX. O castelo tem por principais atrações a torre de menagem, um restaurante, um centro interpretativo de Portalegre e uma sala de exposições.

  • Marvão: é uma vila portuguesa com aproximadamente 500 habitantes situada próxima da fronteira de Portugal com Espanha. Marvão encontra-se situada no topo da Serra do Sapoio, com a muralha do castelo a proteger toda a povoação. Marvão é uma das 21 Maravilhas de Portugal.
    O património de destaque em Marvão inclui o Castelo de Marvão, a Capela do Espírito Santo, a Casa da Cultura, o Convento de Nossa Senhora da Estrela, o Museu Municipal, a Cidade Romana de Ammaia, o Lagar / Museu António Picado Nunes, a Quinta Pedagógica das Avelãs e a Torre da Portagem.
    Integrada em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede, Marvão é um concelho marcado pela natureza, sendo de destacar o rio Sever e a Serra de São Mamede. Marvão é capital do município, com as freguesias de Beirã, Santa Maria de Marvão, Santo António das Areias, e São Salvador da Aramenha.
    Perto de Marvão encontramos a Torre Medieval da Portagem, uma torre quadrangular, provavelmente do século XIV, destinada à vigilância da Ponte Romana de Portagem, uma ponte construída sobre o rio Sever nos finais do século XVI, inícios do XVII com pedras em granito reaproveitadas de uma ponte romana primitiva. Aqui encontramos a Praia Fluvial de Portagem, uma praia fluvial com água do rio Saver.
  • Ammaia: são as ruínas de uma antiga cidade romana dos finais do século I a.C, situadas no Parque Natural da Serra de São Mamede, classificadas como Monumento Nacional desde 1949.

Castelo de Elvas

Castelo de Elvas: é um castelo do século XIII classificado Património da Humanidade, Monumento Nacional, situado em posição dominante sobre a povoação de Elvas e o rio Guadiana. O castelo de Elvas está integrado no projeto Turismo Militar, que apresenta roteiros históricos com o objetivo dar a conhecer a História Militar de Portugal.

  • Elvas: é uma cidade portuguesa com aproximadamente 20 mil habitantes localizada junto da fronteira com Espanha. Elvas foi povoada por Visigodos, Celtas, Romanos e Árabes até à Reconquista em 1229. O centro histórico da cidade de Elvas é protegida pelo maior conjunto de fortificações abaluartadas terrestres do mundo, com um perímetro de oito a dez km, numa área aproximada de 300 hectares.
    Parte da cidade de Elvas foi classificada como Património da Humanidade, nomeadamente, o centro histórico da cidade, as muralhas abaluartadas do século XVII, o Forte de Santa Luzia, o Forte da Graça, o Aqueduto da Amoreira com os 843 arcos que o compõem, o fortim de São Pedro, o fortim de São Mamede e o Fortim de São Domingos. O património de Elvas inclui ainda o Museu Municipal de Fotografia João Carpinteiro, o Museu Militar do Forte de Santa Luzia, o Museu de Arte Contemporânea, o Museu Rural e o Museu de Arqueologia.
    Elvas tem um grande destaque no turismo equestre, nomeadamente através do Centro Hípico de São Brás, e o Parque e Clube de Tiro e Caça de Elvas.
    A gastronomia de Elvas, uma gastronomia tipicamente alentejana, apresenta especialidades como as sopas de pão, o borrego assado, o bacalhau dourado, as migas de coentros, as azeitonas de Elvas, e as ameixas de Elvas.
  • Aqueduto da Amoreira: é um aqueduto magnifico do século XVI e XVII, classificado Património Mundial da UNESCO, parte a “Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as suas Fortificações, Monumento Nacional, considerado o maior aqueduto da Península Ibérica, com 8,5 quilómetros de extensão, 843 arcos com mais de cinco arcadas, e torres que se elevam a 31 metros de altura.
  • Forte de Nossa Senhora da Graça: ou Forte Conde de Lippe, é uma fortificação espetacular do século XVIII, com uma cidadela, classificada Património Mundial pela UNESCO, Monumento Nacional, situada no topo do Monte da Graça, parte da “Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as suas Fortificações. O Forte de Nossa Senhora da Graça é um espaço grande, bem preservado, que requer algum tempo para explorar. O Forte é composto por três linhas defensivas consideradas uma obra de arte da arquitetura militar. A Forte de Nossa Senhora da Graça foi a fortaleza que permitiu completar o circuito defensivo da cidade de Elvas.
  • Forte de Santa Luzia: é um forte de 1648 classificado Património Mundial pela UNESCO, Monumento Nacional, desenhado com planta em estrela, destinado a defender a frente sul da cidade de Elvas.
  • Museu Militar de Elvas:

Monumento Natural das Portas de Ródão

Monumento Natural das Portas de Ródão: conhecido como Portas de Rodão, é um lugar tranquilo criado por uma formação rochosa entre escarpas de 170 metros de altura, que simulam duas portas com o rio Tejo no centro, criando uma paisagem natural de grande atração. Após as Portas de Rodão existe um grande Lago, que testemunha que as Portão de Rodão foram originadas a partir da erosão de milhões de anos. No topo das Portas de Rodão podemos visitar o castelo do Rei Wamba, o povoado paleolítico de Vilas Ruivas. Este é um local de excelência para a observação de aves, com o avistamento regular de abutres, aves de rapina e outras espécies. As Portas de Rodão são um dos geossítios do Geoparque Naturtejo da Meseta Meridional está integrado na Rede Mundial de Geoparques, criada pela UNESCO abrange uma área composta pelos municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão.

Castelo de Vide

  • Castelo de Vide: é vila portuguesa situada numa colina da serra de São Mamede com aproximadamente 3400 habitantes. Castelo de Vide é considerada por muitos, a “Sintra do Alentejo”, uma vila alentejana de particularidades únicas, com as casas caiadas de branco, as ruas inclinadas, rodeada por muralhas. Em Castelo de Vide podemos visitar um património importante e vasto, nomeadamente: o Castelo Medieval de Vide, a judiaria de Castelo de Vide, um bairro judeu que inclui uma Sinagoga, a Praça D. Pedro V, a Igreja São João Batista, a Igreja Matriz e as casas senhoriais, que encontramos um pouco por toda a vila. Próximo da vila de Castelo de Vide encontramos o Monte da Pena, um local onde se está situada a Capela de Nossa Senhora da Pena, com um miradouro para Castelo de Vide. A zona moderna de Castelo de Vide tem piscinas municipais, piscinas com escorregas, um pavilhão municipal, uma pista de atletismo e um campo de futebol. As festas mais importantes de Castelo de Vide são o Carnaval Trapalhão, que se realiza anualmente em fevereiro, a Semana Santa, que se realiza anualmente em abril, e o Mercado Medieval, que se realiza anualmente em Agosto e Setembro. O Festival Andanças – Festival Internacional de Música e Dança Tradicional, que se realiza anualmente em agosto tem vindo a ganhar importância nos últimos anos.
  • Castelo Medieval de Vide: é um castelo do século XIV, classificado Monumento Nacional, situado no topo da colina da serra de São Mamede. O Castelo Medieval de Vide é uma das grandes atrações do distrito de Portalegre. No interior das muralhas encontramos a vila medieval, a judiaria e a sinagoga.
  • Anta da Melriça: está situada perto da vila de Castelo de Vide, consiste num monumento megalítico de rocha erguida, que tinha antigamente a função de funerária.

Castelo de Belver, em Gavião

Castelo de Belver é um castelo do século XIII, considerado um dos castelos mais completos da arquitetura militar medieval portuguesa, situado em posição dominante sobre a confluência da ribeira de Belver com a margem direita do rio Tejo.
Gavião: é uma vila com aproximadamente 3200 habitantes, profundamente marcada pela beleza natural envolvente. No concelho de Gavião merece visitar o Castelo de Belver, a ponte sobre o rio Tejo de Belver, o miradouro do Outeirinho, o miradouro do Pintalgaio, a capela de Nossa Senhora do Pilar, o Centro de Interpretação do Castelo de Belver, o caminho da Fonte Velha, a Igreja Matriz de Gavião, o Museu do Sabão, o Museu da Vinha e do Vinho, o Núcleo Museológico das Mantas e Tapeçarias de Belver, a Praia Fluvial do Alamal, o Observatório de Avifauna e a Ribeira da Venda.

  • Praia Fluvial de Ortiga: é uma praia fluvial de areia no rio Tejo junto à barragem de Belver, onde encontramos o parque de campismo de Ortiga. Aqui perto podemos percorrer alguns caminhos junto da natureza, onde encontramos o miradouro natural da Cova, o GEOSSITIO Terraço com material Paleolítico, e a povoação de Ortiga.
  • Anta do Penedo Gordo: um monumento megalítico situado a norte da barragem do Belver.

Castelo de Alegrete

Castelo de Alegrete: é um pequeno castelo de arquitetura gótica construído na idade média, situado na vila de Alegrete, Portalegre. Desde o castelo temos uma vista panorâmica da vila e da paisagem de serras envolvente. Devido à localização, foi uma das fortificações mais importantes do Alto Alentejo.

Fluviário de Mora

Fluviário de Mora: é um fluviário situado no Parque Ecológico do Gameiro, na freguesia de Cabeção. O Fluviário de Mora é composto por um conjunto de aquários dedicados aos ecossistemas de água doce, com a exposição de habitats representativos do percurso de um rio ibérico, desde a nascente, passando pela à foz, até ao mar. O Fluviário de Mora tem programas científicos e pedagógicos apresentados ao longo de várias temáticas, nomeadamente, o Lontrário, a sala Saramugo, a sala Monstros do Rio, sala de Exposição Multimédia, sala de aula, um auditório, e a sala Habitats Exóticos, com espécies do rio Amazonas e dos Grandes Lagos Africanos. É uma atração especial para famílias e crianças, um lugar especial para aprender sobre a natureza. Perto do Fluviário de Mora podemos visitar a vila de Mora, onde encontramos:

  • Museu Interativo do Megalitismo: é um museu situado na antiga estação ferroviária de Mora, galardoado com o prémio “Melhor Projeto Público”, onde podemos conhecer o património megalítico do Concelho de Mora através de três espaços representativos do quotidiano das populações, dedicados ao tema: “a Vida, a Morte e a Contemplação” através de um vídeo 3D que retrata a vida num povoado neolítico

Parque Ecológico do Gameiro

Parque Ecológico do Gameiro: é um parque natural que envolve o Fluviário de Mora na Vila de Cabeção, onde encontramos uma praia fluvial, parque de campismo, parque de merendas, parque infantil, bar/cafetaria, passadiços de madeira do Gameiro ao longo da ribeira da Raia, campo de jogos e Centro de Interpretação Ambiental. O Parque Ecológico do Gameiro é um local formidável disfrutar de um dia na natureza, com campo de futebol, café, chuveiros, bastantes sombras, num ambiente limpo e cuidado.

Castelo de Alter do Chão

Castelo de Alter do Chão: é um castelo de arquitetura medieval trecentista, construído no século XIV, com muralhas em xisto e granito, são reforçadas por seis torres. O Castelo de Alter do Chão é uma antiga defesa da região Alentejana, situado na vila portuguesa de Alter do Chão, uma vila situada no distrito de Portalegre com aproximadamente 3100 habitantes. Alter do Chão foi fundada em 204 d.C. com o nome de Elteri sob a ocupação romana. Aqui podemos visitar o Castelo de Alter do Chão, a Igreja de Nosso Senhor Jesus do Outeiro, a Igreja da Misericórdia, a Capela de Santana, e a Coudelaria fundada em 1748 pelo rei português D João V, com o objetivo de fazer a criação de cavalos de raça lusitana para o Picadeiro Real.

Museu Militar de Elvas

Museu Militar de Elvas: é um museu situado dentro das muralhas da cidade de Elvas, no edifício do Convento de São Domingos e da igreja de São Domingos. No museu militar de Elvas podemos conhecer os elementos de tração animal e arreios militares, o serviço de saúde nas diferentes especialidades médicas militares, a Coleção de veículos militares, nomeadamente, um tanque militar presente na entrada do museu, o tanque de batalha M5-AI Stuart, modelo de 1942, o M47 Patton e veículos Unimog 411, usados nas campanhas coloniais portuguesas, as comunicações militares, o Centro de Interpretação do Património de Elvas, e o Centro de Animação e Treino Equestre de Elvas

Castelo de Campo Maior

Castelo de Campo Maior: é um a castelo de arquitetura militar mandado construir por D. Dinis em 1310, classificado como Monumento Nacional, situado na vila alentejana de Campo Maior. Campo Maior chegou a ser o mais importante centro militar de Portugal, depois de Elvas. Tinha a função de defesa fronteiriça, razão pela qual foi aumentado no século XV com um conjunto de muralhas que albergava todo o perímetro urbano. Dentro das muralhas da vila podemos visitar outras atrações, nomeadamente, o Lagar Museu do Palácio Visconde d’ Olivã, a Capela dos Ossos de Campo Maior, a Igreja Matriz, Igreja de São João Batista, o Museu Aberto de Campo Maior a Praça da República onde encontramos o Pelourinho de Campo Maior e a Câmara Municipal, e nos limites da vila velha com a expansão da nova vila de Campo Maior encontramos o Jardim Municipal, com áreas verdes, esplanadas, e a estátua do Comendador Nabeiro, um empresário da região que tem contribuído para o desenvolvimento local através da criação de emprego com a indústria do café. O património natural de Campo Maior merece um destaque, nomeadamente a barragem do rio Caia e a barragem do Abrilongo. Campo Maior é conhecida pelas Festas do Povo, que se realizam anualmente em setembro. Durantes estas festas, a vila fica “vestida” de flores de papel e é transformada num jardim imenso

  • Centro de Ciência e do Café: é um espaço criado pelo industrial Comendador Rui Nabeiro, num edifício com uma área total de 3426 m2, onde podemos visitar e conhecer a história, o processo de transformação e tudo o que está relacionado como o mundo do café, através de exposições e interatividade. O Centro de Ciência e do Café pertence ao grupo Nabeiro, criador da marca portuguesa Delta Café desde 1961. Um espaço a visitar…

Adega Mayor

Adega Mayor: é uma adega desenhada pelo arquiteto Siza Vieira, onde num campo de 350 hectares foi criada uma adega, com vista sobre a vinha, um olival, Espanha e a Serra de Portalegre. Aqui podemos experienciar workshops, visitas guiadas ao mundo dos aromas dos vinhos produzidos nesta herdade, provas de produtos gastronómicos da região, e passeio pela herdade da Adega Mayor.

Castelo de Amieira do Tejo

Castelo de Amieira do Tejo: é um castelo de arquitetura gótica do século XIV, que integrava a linha de defesa da fronteira entre Portugal e Espanha, situado na vila de Amieira do Tejo. O Castelo de Amieira é um pequeno castelo em bom estado de conservação.

Museu do Sabão

Museu do Sabão: é um museu instalado na antiga escola primária de Belver, que preserva a cultura da indústria saboeira desde o século XVI, que acontecia essencialmente na zona do Alto Alentejo e Castelo Branco. A importância económica e social na vila de Belver derivada pela indústria do sabão era notável pela presença de vários produtores artesanais e da Real Fábrica de Sabão. O Museu do Sabão é um museu com muita informação sobre o fabrico, história e uso do sabão, que pretende divulgar os conhecimentos adquiridos pelos antepassados e homenagear a memória dos saboeiros de Belver.

Centro de Interpretação da Batalha de Atoleiros

Centro de Interpretação da Batalha de Atoleiros: é um museu que representa uma reconstituição, através de meios multimédia, da Batalha de Atoleiros travada em 6 de Abril de 1384 perto da vila de Fronteira.

Rail Bike Marvão

Rail Bike Marvão: é uma experiência com dois percursos num carro a pedal, que desliza sobre a antiga linha de comboio do Marvão, entre as estações históricas no Parque Natural da Serra de São Mamede, permitindo observar a natureza e a vida selvagem, uma ponte a 30 m de altura, e as vistas panorâmicas sobre o Castelo de Marvão e a vila histórica de Castelo de Vide. Esta experiência requer esforço físico.

Menhir de Meada

Menhir de Meada: é um menir do período Neo-Calcolítico 2500-3500 A.C, situado em Castelo de Vide, classificado como o maior Menir da Península Ibérica, com aproximadamente 4 metros de altura, classificado Monumento Nacional. A área do menir é envolvida por outros menires de menor dimensão e arvores de sobreiro.

Anta de Pavia

Anta de Pavia: é uma anta datada do milénio IV ou III A.C. e transformada na capela de São Dinis no século XVII, situada no centro da pequena povoação de Paiva.

Ponte de Nossa Senhora da Ajuda

Ponte de Nossa Senhora da Ajuda: é uma ponte do século XVI com trezentos e oitenta metros de comprimento por cinco metros e meio de largura, apoiada em dezanove arcos, criando uma paisagem fantástica sobre o rio Guadiana.

Mosteiro de Flor da Rosa

Mosteiro de Flor da Rosa: ou Mosteiro da Ordem do Hospital de Flor da Rosa, é um mosteiro fortificado do século XIV classificado como Monumento Nacional, transformado em 1995 numa unidade hoteleira das Pousadas de Portugal. Na igreja do convento encontramos atualmente o Núcleo de Escultura Medieval do Museu Nacional de Arte Antiga e uma exposição de escultura de João Cutileiro.

  • Anta da Aldeia da Mata: é um monumento megalítico bem preservado, situado perto do Mosteiro de Flor da Rosa, situado num descampado em propriedade privada rodeado de pasto e árvores de sobreiro, uma paisagem típica alentejana. Para visitar a Anta da Aldeia da Mata necessitamos passar pelo portão da propriedade. Dentro da propriedade privada existe gado, e aconselha-se prudência com os animais.

Castelo de Avis

Castelo de Avis: é um castelo é um castelo do século XIII situado na vila de Avis, uma vila portuguesa localizada a uma altitude de 201 metros com aproximadamente 4200 habitantes. A vila de Avis foi sede da Ordem de Avis, uma das Ordens Militares mais importantes de Portugal. A vila respira história, com destaque para o centro histórico, o Castelo de Avis, a Igreja Matriz, a Igreja de Ervedal, o Museu do Campo Alentejano, o Centro Interpretativo da Ordem de Avis e o convento de São Bento da Ordem de Avis. Avis tem locais para a prática do desporto ao ar livre e para o turismo rural, nomeadamente o parque de campismo da albufeira do Maranhão, e o complexo do clube náutico de Avis, com uma praia fluvial, piscinas, restaurante e zonas verdes. As festas e romarias mais importantes de Avis são a Feira Medieval Ibérica que se realiza em maio, e a Feira Franca de Avis, que se realiza em julho.

Museu Municipal da Fotografia João Carpinteiro

Museu Municipal da Fotografia João Carpinteiro: é um museu instalado no edifício do antigo Cinema Central, onde podemos conhecer a história da fotografia, um espólio de máquinas fotográficas do Dr. João Carpinteiro, conhecer como funciona um laboratório para revelação fotográfica, uma biblioteca, e um banco de imagens.

Barragem de Póvoa

Barragem de Póvoa: é uma barragem perto de Castelo de Vide, que forma a pequena albufeira da barragem de Póvoa e Meadas. É um local rodeado de natureza, procurado para a prática de desporto ao ar livre e piqueniques.

Ponte de Vila Formosa

Ponte de Vila Formosa: é uma antiga ponte romana do século I ou século II, com 6 arcos divididos em 100 metros de comprimento sobre a ribeira de Seda, situada ao km 8 da EN. 369. A ponte faz parte da antiga estrada romana que ligava Lisboa a Mérida em Espanha. Devido ao bom estado de conservação, ainda é utilizada para circulação automóvel. A Ponte de Vila Formosa está classificada como Monumento Nacional.

Barragem do Caia

Barragem do Caia: é a barragem com a maior albufeira do distrito de Portalegre, abastecida pelo rio Caia. A barragem é procurada para a prática de desportos náuticos, nomeadamente windsurf, kitesurf, canoagem, stand up paddle, btt, e desportos de natureza, nomeadamente birdwatching, caminhadas e pesca.

Convento de Nossa Senhora da Estrela

Convento de Nossa Senhora da Estrela: é um convento do século XV situado na vila de Santa Maria de Marvão, classificado como Imóvel de Interesse Público.

Vila de Arronches

  • Arronches: é uma vila portuguesa situada perto da fronteira com aproximadamente 2800 habitantes. Arronches encontra-se inserida no Parque Natural da Serra de São Mamede, tornando possível a prática de atividades desportivas ao ar livre e passeios no meio da natureza. Na vila de Arronches realçamos o Castelo de Arronches, a Igreja Matriz, a Igreja da Misericórdia, a Igreja de Nossa Senhora da Luz, a torre medieval e o Passeio do Vassalo.

Vila de Fronteira

  • Fronteira: é uma vila tradicional portuguesa com aproximadamente 3000 habitantes, fundada pelo rei português D Dinis no século XIII. Próximo de Fronteira encontramos Atoleiros, o local onde D Nuno Álvares Pereira derrotou os castelhanos em 1384, garantindo a independência de Portugal. Na vila de Fronteira há que realçar a Igreja Matriz, a Igreja do Senhor dos Mártires, o edifício dos Paços do Concelho, a estação de comboios com os painéis de azulejos a retratar o estilo de vida da região, os palácios senhoriais do século XVIII, o Centro de Interpretação da Batalha de Atoleiros, as Termas da Sulfúrea, o Miradouro do Santuário de Nossa Senhora de Vila Velha, e a Praia Fluvial da Ribeira Grande.
    As festas e romarias mais importantes de Fronteira são: as Festas Honra de Nossa Senhora da Vila Velha que se realizam anualmente em agosto, a Comemoração da Batalha dos Atoleiros, feriado municipal, que se realiza anualmente em Abril, a Feira Medieval, que se realiza anualmente em Abril, e a festa em honra de Nossa Senhora das Candeias, que se realiza anualmente em Fevereiro.

Vila de Monforte

  • Monforte: é uma vila com 3000 habitantes situada no distrito de Portalegre. Monforte é conhecida por ser o local de origem do cão da serra d’Aires e do rafeiro alentejano. Em Monforte destacamos o Centro de Reprodução do Rafeiro Alentejano, Centro Interpretativo Tauromáquico, a Herdade do Perdigão, a Igreja do Calvário, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a Igreja de São João Batista, o Museu Municipal, a ponte antiga de Monforte, as ruínas de Palma, Torre das Figueiras e a Torre do Frade.

Ponte de Sor

  • Ponte de Sor: é uma cidade e concelho no distrito de Portalegre com aproximadamente 15000 habitantes. No concelho de Ponte de Sor podemos visitar o Centro de Artes e Cultura, a igreja Matriz de Ponte de Sor, a Albufeira de Montargil, as seis capelas de Galveias, o parque aquático Oásis Parque, os moinhos de água de rodízio, o Núcleo Megalítico de Montargil, a Necrópole de Santo André, e a zona ribeirinha de Ponte de Sor.
    As Festas e Romarias mais importantes de Ponte de Sor são a festa da Salgueirinha que se realiza anualmente na Segunda-Feira de Páscoa, o festival Centrum Sete Sois Sete Luas, que se realiza anualmente entre Julho e Setembro, a feira de Outubro, que se realiza anualmente em Outubro, e o festival Internacional de Balões de Ar Quente que se realiza anualmente em Novembro. Ponte de Sor é servida pelo Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, com voos de Planadores, e cursos superiores relacionados com a aeronáutica / aeroespacial, ministrados no edifício Campus Universitário.

A Gastronomia de Portalegre

Os pratos típicos de Portalegre são:

  • Cozido de grão
  • Codorniz frita
  • Cozido à Crato
  • Ensopado de borrego
  • Lacão assado
  • Lebre com feijão branco
  • Lebre com arroz
  • Maranhos à Belverense
  • Perdiz de escabeche
  • Pastéis de Santa Clara
  • Queijadas de Portalegre
  • Sericaia
  • Queijo de Nisa

O artesanato de Portalegre

O ex-libris do artesanato da cidade é a arte da tapeçaria, considerada a melhor tapeçaria de Portugal e uma das melhores do mundo. O artesanato de Portalegre também inclui as tradições da ferraria e da latoaria.

História de Portalegre

Portalegre foi fundada no período de ocupação romana, sendo designada de Portus Alacer ou Porto Alegre. Portalegre servia de abrigo aos viajantes que passavam na região. Portalegre foi fortificada devido à proximidade da fronteira com Espanha, tendo sido construído em 1290 um castelo com doze torres e sete portas que protegiam a vila ao acesso de forasteiros. Portalegre foi elevada à categoria de cidade em 1550. No século XVII foi inaugurada a Real Fábrica de Lanifícios, o que contribuiu para o desenvolvimento da cidade. No século XIX foi construída a Fábrica Robinson, que se dedicava à preparação e transformação da cortiça. Em 18 de Julho de 1835, Portalegre foi designada capital de distrito.

A Economia de Portalegre

A agricultura representa a maior importância na economia do distrito de Portalegre, com produções de cereais, azeite, castanhas e vinho; a pecuária, com a criação de gado bovino, caprino, suíno e cavalar; a indústria da panificação, a indústria de leite, café e chá, a produção de cortiça, e o turismo. O distrito de Portalegre tem a maior mancha de sobrado da Europa.
O turismo tem crescido no Alentejo interior durante as ultimas décadas, com o aparecimento de turismo rural potenciado com o alojamento rural de com serviço de qualidade, turismo de natureza, turismo vinícola, turismo náutico associado às barragens, o turismo relacionado com o circuito cultural e religioso, o turismo de gastronomia e vinhos, turismo de saúde relacionado com as termas.

A economia empresarial e industrial do distrito de Portalegre é apoiada e sustentada pela existência de treze zonas Industriais:

  1. Zona Industrial de Alter do Chão
  2. Zona Industrial de Avis
  3. Zona Industrial de Campo Maior
  4. Zona Industrial de Castelo de Vide
  5. Zona Industrial do Crato
  6. Zona Industrial de Elvas
  7. Zona Industrial de Fronteira
  8. Zona Industrial do Gavião
  9. Zona Industrial de Marvão
  10. Zona Industrial de Monforte
  11. Zona Industrial de Nisa
  12. Zona Industrial de Portalegre
  13. Zona Industrial de Sousel

Localização geográfica do distrito de Portalegre

Portalegre faz fronteira com o distrito de Castelo Branco a norte, com o distrito de Évora a sul, com o distrito de Santarém a oeste, e com Espanha a leste. O distrito de Portalegre tem 69 freguesias, divididas pelos 15 municípios compostos pela cidade de Elvas, a cidade de Portalegre, a cidade de Ponte de Sor, a vila de Campo Maior, a vila de Nisa, a vila de Alter do Chão, a vila de Castelo de Vide, a vila de Fronteira, a vila de Arronches, a vila de Sousel, a vila de Avis, a vila de Crato, a vila de Gavião, a vila de Monforte, e a vila de Marvão.
Os rios mais importantes do distrito de Portalegre são o rio Avis, o rio Caia, rio Guadiana, rio Sever, e o rio Tejo. As serras mais importantes do distrito de Portalegre são a serra Monte da Penha, serra de São Mamede, serra de Nisa, serra de Marvão e a serra de Portalegre.

Festas e Romarias de Portalegre

  • Made in Portalegre: realiza-se em outubro, de dois em dois anos;
  • Portalegre JazzFest: realiza-se anualmente em fevereiro;
  • Feira da Doçaria Conventual: realiza-se anualmente em abril;
  • Campeonato de todo-o-terreno baja 500: realiza-se anualmente em outubro;
  • Festival Internacional de Teatro: realiza-se anualmente em novembro.

Factos Rápidos de Portalegre

  • População cidade: aproximadamente 22 mil habitantes
  • Fundação do concelho: 1259
  • Região: Alentejo
  • Sub-Região: Alto-Alentejo
  • Distrito: Portalegre
  • Feriado Municipal: 23 de maio
Back to Top
error: